Tudo o que você precisa saber para subir o Costão de Itacoatiara

By 5 de julho de 2016 indicações, principal, rio de janeiro

Dia desses, li em algum lugar da internet a seguinte frase: ‘Você pode ter medo de altura, mas não pode ter medo de voar‘. Isso foi depois que eu encarei a subida do Costão de Itacoatiara, em Niterói, apesar do ligeiro medo que eu tenho de altura, e a frase fez todo sentido. A gente convive com medos diversos na vida, faz parte. Precisamos aprender a não deixar que eles nos paralisem. Só assim para curtir a vista linda que se tem do alto de um morro, não é mesmo? Além do mais, quando você supera o medo, percebe que ele nem era tão grande assim e já começa a se preparar para o próximo. É, eu sei que esse post está parecendo mais um texto do auto-ajuda do que um guia para fazer uma trilha, mas essa introdução é necessária para os medrosos. Subir o Costão dá um certo medo, tem uma parte de mini escalada na pedra e muita gente desiste no meio do caminho, mas, a medrosa aqui garante é possível e vale a pena. A satisfação de chegar lá em cima com o medo superado diante da infinidade azul da paisagem é uma das melhores que se pode ter na vida. Eu passei o resto do dia radiante, orgulhosa de mim, e quero dividir isso com você, que está lendo esse texto agora. Por isso, vamos às informações práticas.

Costão de Itacoatiara

Costão de Itacoatiara

Costão de Itacoatiara

Parece perigoso ali atrás, mas é só ilusão de ótica mesmo. A foto fica bem legal! 😉

O Costão de Itacoatiara é uma grande pedra que fica em um dos cantos da praia que leva o mesmo nome e fica na Região Oceânica de Niterói, município vizinho do Rio de Janeiro. Para chegar lá, você tem algumas opções. Para ir de carro, basta colocar o destino no Google Maps – se colocar no Waze, cuidado, porque ele costuma indicar caminhos não muito seguros – e ir na fé. Saindo do Rio, não tem muito mistério. Você pega a ponte Rio-Niterói e segue sempre em direção à Região Oceânica. Em um dia com trânsito bom, você deve demorar quase uma hora para chegar, talvez, um pouco menos. Se for em um fim de semana, vá cedo porque a praia enche e pode ser difícil encontrar vaga. Se você for de transporte público, saindo do Rio, a melhor opção é pegar a barca – lembrando que, nos fins de semana, o catamarã não funciona – e um ônibus para a Região Oceânica. Para quem chega pela estação Arariboia, as opções são o 38 e o 77oD. Se você for para Charitas- em dias úteis -, pode pegar o 38B ou o 771D. A viagem completa demora cerca de duas horas, dependendo de onde você morar no Rio.

Ao chegar à Itacoatiara, a tentação de ficar por ali mesmo, na areia, curtindo a praia, será grande. Mas resista. Vale a pena esperar pela recompensa após a descida. Além de ir com roupa de banho por baixo, eu diria para você escolher peças leves e confortáveis e ir de tênis. Também é fundamental levar água, principalmente, se estiver calor no dia. No final da rua das Rosas, fica a entrada para o Parque Estadual da Serra da Tiririca, dentro de onde está a trilha para o Costão. A subida, no geral, é bem rápida. Primeiro, você vai caminhar em uma trilha dentro da mata, bem sinalizada, durante uns 15 minutos, mais ou menos. Essa trilha é fácil, dá para encarar em um fôlego só. No final, você vai chegar a uma espécie de posto de parada que indica a subida para o Costão e o caminho para a enseada do Bananal, onde as pessoas praticam rapel. À direita, fica o Costão. Essa segunda parte de subida demora mais uns 15 minutos, em ritmo confortável. Eu fui com meu namorado e nós fizemos tudo em 25 minutos, mais ou menos, com umas paradas para descansar na parte da pedra. Olhando de baixo, o Costão vai parecer bastante íngreme, mas basta você inclinar o corpo um pouco para frente e contar com a ajuda das mãos como apoio, que a subida fica bem fácil. A parte inicial é a mais inclinada e difícil, depois a pedra fica mais plana e dá para subir em pé mesmo. Se bater um medinho, pensa que é isso que te espera lá em cima:

Costão de Itacoatiara

No meio da pedra, a vista do lado esquerdo de quem está subindo.

Costão de Itacoatiara

Já na reta final, a vista do lado direito de quem está subindo.

Costão de Itacoatiara

Meu companheiro de aventura. Escolha bem o seu para o passseio ser mais divertido!

Costão de Itacoatiara

A praia de Itacoatiara e o Rio, ao fundo.

Costão de Itacoatiara

Há todo tipo de gente lá em cima: dos que estão só curtindo a paisagem aos que estão tirando fotos sem roupa. Acredite, eu vi!

Do alto do Costão, conseguimos ver a praia de Itacoatiara, um pedacinho da enseada do Bananal e o Rio, distante e sempre lindo. Chama a atenção a intensidade do azul do mar, tão profundo e diferente do que vemos normalmente. Aproveite para descansar, curtir a vista, meditar, agradecer, tirar fotos, faça o passeio e o seu esforço valerem apena. A hora é essa! Quando achar que já deu, prepare-se para a descida. Assim como a subida, ela parece complicada, a princípio, mas não é. Se bater medo, coloque o bumbum no chão e vá escorregando devagar pela pedra, com a ajuda das mãos. Olhando de cima, nós descemos pelo canto esquerdo e achamos que por ali foi mais fácil e menos íngreme do que pela direita, por onde subimos. Qualquer que seja a sua escolha, vá com calma e rapidinho você estará lá embaixo. Após a descida, não deixe de dar um mergulho na praia de Itacoatiara. O mar não é dos mais calmos, mas é muito bonito e limpo. Essa praia ainda conserva um ar mais selvagem e é menos degradada pelo homem do que as praias da Zona Sul do Rio, por exemplo. Um banho nesse mar para recarregar as energias e seu dia estará completo.

praia de Itacoatiara

Seja o primeiro a comentar

    Deixe uma mensagem