Um pouco da história do país no Museu do Trem

By 20 de setembro de 2016 principal, rio de janeiro

Em uma das minhas idas ao Engenhão, durante os Jogos Paralímpicos, eu, quase que literalmente, esbarrei em um lugar que estava há tempos na lista de ‘a conhecer’: o Museu do Trem, que fica bem pertinho do estádio, na Zona Norte do Rio. Andava distraída, mexendo no celular, quando deparei com um pequeno aglomerado de pessoas. Levantei a cabeça e lá estava a placa que revelava o motivo daquela movimentação. Como precisava fazer hora para entrar no Estádio Olímpico – cheguei muito cedo desavisadamente -, aproveitei a oportunidade para riscar esse item da lista e tirar umas fotos bem legais, aproveitando o clima meio vintage do lugar.

Fundado em 25 de fevereiro de 1984, o Centro de Preservação da História Ferroviária do Rio de Janeiro – nome formal do Museu do Trem, pelo que eu li na placa da entrada – fica da rua Arquias Cordeiro, 1046, no Engenho de Dentro. Nesse mesmo endereço, há muitos anos, funciona a “oficina” da Central do Brasil. No enorme galpão onde hoje está o museu era feita a manutenção das máquinas que circulavam no Rio. Ouvi essa informação de outro visitante que estava no local e a contava para seus acompanhantes. Fiquei curiosa e, depois, pedi ajuda ao tio Google para confirmar tal fato. Era verdade.

Aliás, eu gostei bastante da visita, da possibilidade de ver vagões e peças do passado do país de perto, mas senti muita falta de informação, de entender o que estava vendo. O museu tem um grande painel explicativo quando você entra, com um resumo dos 164 anos de história ferroviária do país e só. Tirando uma ou outra placa explicativa menor – como a que fala sobre os benefícios do telégrafo (inventado em 1791) para as ferrovias e a criação de uma escola telegráfica na Central -, o visitante fica meio perdido, sem saber bem a importância dos tradicionais vagões e de outros itens expostos. Por isso, eu recomendo fortemente que, antes da visita, você dê uma lida nessa matéria da revista Veja, que lista dez motivos para uma visita ao museu. Há muitas curiosidades que eu gostei de descobrir e que pode fazer sua experiência ser mais proveitosa. Descobri, por exemplo, que estive diante da primeira locomotiva a chegar ao Brasil e de um carro de bombeiros que era usado pela equipe da Central do Brasil para apagar incêndios na ferrovia. Detalhe: ele era movido por tração animal.

museu do trem

museu do trem

museu do trem

Placas de identificação dos trens.

museu do trem

A parte externa do museu.

A parte externa do museu.

Considerando o número 1, eu deduzi que essa é a primeira locomotiva do Brasil.

Considerando o número 1, eu deduzi que essa é a primeira locomotiva do Brasil. Depois, eu pesquisei no Google também e confirmei que essa é, sim, a Baroneza! 😉

museu do trem

A parte interna de um dos vagões.

A parte interna de um dos vagões. Isso seria uma sala?

A parte interna de um dos vagões.

A parte interna de um dos vagões. Isso, com certeza, é um banheiro!

A parte externa do museu.

Mais da parte externa do museu.

O Museu do Trem funciona de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h. A entrada é gratuita. Vocês só precisa assinar o livro de visitante que fica na porta, com o segurança. O Museu fica muito perto da estação de trem do Engenho de Dentro e, se você pegar o expresso na Central do Brasil, chega bem rapidinho. Também dá pra ir de ônibus, claro, mas eu acho que esse passeio pede uma ida de trem, né? Para ficar na temática…

Seja o primeiro a comentar

    Deixe uma mensagem