Expira, inspira: o amor nos tempos de Gabriel García Marquez

Gabriel Garcia Marquez - Edgard Garrido - Reuters

Gabriel García Marquez, como você obviamente já sabe, morreu aos 87 anos na última quinta-feira. A ideia para esse post, entretanto, nasceu antes da fatídica data e não pretendia ser mais uma dessas homenagens póstumas que você deve ter visto aos montes no Facebook nos jornais desde a morte do colombiano. Explico, o post de hoje nasceu simplesmente porque eu gostaria de compartilhar com você, nosso caro leitor, que por ventura não leu O Amor nos Tempos do Cólera ou leu e deixou passar desapercebido, um dos meus trechos favoritos de livros.

Fermina Daza estava na cozinha provando a sopa para o jantar, quando o ouviu o grito de horror de Digna Pardo e o alvoroço da criadagem da casa e depois da vizinhança. Atirou a colher de pau e tratou de correr como pode, com o peso invencível da idade, gritando feito uma louca sem saber ainda o que acontecia debaixo da copa da mangueira e o coração lhe estourou em estilhaços quando viu seu homem estirado de costas no lodo, já morto em vida, mas resistindo ainda um último minuto à chicotada final da cauda da morte para que ela, sua mulher, tivesse tempo de chegar. Chegou a reconhecê-la no tumulto através das lágrimas da dor que jamais se repetiria de morrer sem ela, e a olhou pela última vez para todo o sempre com os mais luminosos, mais tristes e mais agradecidos olhos que ela jamais vira no rosto dele em meio século de vida em comum e ainda conseguiu dizer-lhe com o último alento:
– Só Deus sabe o quanto amei você.

Já reli esse trecho um sem número de vezes e nunca deixo de me impressionar com a mistura de intensidade e delicadeza da cena que mistura dor, perda e amor. Não pense que é um spoiler! O trecho acima é só uma pontinha de toda a poesia contida em O Amor nos Tempos do Cólera. O livro, de 1985, conta a história de Fermina Daza e Florentino Ariza. Os dois vivem uma grande paixão ainda meninos. Mas, ele, um pobre telegrafista, e ela, filha de família nobre, vivem o inevitável: a separação. Cada qual com sua vida, cabe a García Marquez traçar o destino de um amor que pode cair no esquecimento ou esperar e perdurar por uma vida inteira.

A inspiração para a história de Fermina e Florentino saiu do romance dos próprios pais do escritor, que tiveram de enfrentar a distância e a resistência do pai da noiva para ficarem juntos. A obra é maravilhosa, um dos melhores livros que já li. E ninguém melhor do que Gabriel García Marquez para falar sobre ele:

’Cem Anos de Solidão’ não é meu livro. Meu livro é ‘O amor nos tempos de cólera’, esse é um livro que vai ficar. ‘Cem anos de solidão’ é um livro mítico e eu não trato de tirar dele mérito algum. Mas ‘O amor nos tempos de cólera’ é um livro humano, com os pés na terra do que somos de verdade.

Também não vamos tirar os méritos de Cem Anos de Solidão – um livro incrível, sucesso no mundo todo. Mas, como bem define o colombiano, O Amor nos Tempos do Cólera é um livro humano, que desperta o desejo de viver um grande e inesquecível amor, que faz pensar na velhice e no peso das decisões que tomamos no decorrer do tempo. É inspiração para toda vida. Assim como o é García Marquez. O colombiano, prêmio Nobel de Literatura, só ganhou reconhecimento, e dinheiro com as palavras aos 40 anos. Uma lição para a gente que hoje vive em uma eterna auto-cobrança por ser bem-sucedido o mais rápido possível. Mais uma vez nas palavras de Gabriel García Marquez, ‘deixemos que o tempo passe e já veremos o que traz’.

Júlia Faria

2 comentários sobre “Expira, inspira: o amor nos tempos de Gabriel García Marquez

  1. Pingback: Minhas aventuras na Colômbia – parte 1 | um fôlego

  2. Pingback: Minhas aventuras na Colômbia – parte 3 | um fôlego

E aí, o que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s